Sertão das arábias

Revisitando contos das Mil e uma noites, o autor e ilustrador Fábio Sombra cria uma obra original e inusitada, na qual personagens tipicamente brasileiros revivem, à sua maneira e com muito humor, algumas das histórias narradas por Sherazade. Divirta-se com as sete viagens do vaqueiro Sibá Romão, encante-se com o menino Raimundim e sua lamparina velha e conheça um gari chamado Vavá, que, sem querer, descobre um tesouro imenso guardado por um bando de cangaceiros.

Sopa de botão de osso

Sopa de Botão de Osso, mais conhecida entre nós como Sopa de Pedras, é um conto popular da tradição judaica. Com temática bastante atual, mostra como a solidariedade e a cooperação podem nos fazer sair bem de situações em que individualmente não conseguiríamos nada.

Três tigres tristes

“Um tigre, dois tigres, três tigres! Três tigres tristes listrados dos trópicos trafegavam num trator, enquanto traçavam três travessas com trocentos trigos trazidos de Trieste por triunfantes trovadores de trava-línguas!” Fernando Vilela e Nina Barbieri escreveram este divertido livro juntos. A ideia nasceu quando brincavam de falar rápido o famoso trava-língua dos tigres. Depois, resolveram continuar a história nos almoços diários. Para ilustrar o livro, Fernando usou lápis para desenhar, carimbo de borracha para fazer os coqueiros e o computador para colorir.Título assinado pelo premiado autor e ilustrador Fernando Vilela.Obra traz um trava-línguas que instiga crianças e adultos a reproduzi-lo em voz alta,sem errar, tornando tudo uma grande brincadeira.Ganhador do selo Altamente Recomendável FNLIJ.

Quem matou o saci?

A detetive Billy Conrado e o detetive Joaquim de Jeremias colhem pistas e não poupam esforços para solucionar o misterioso assassinato de um conhecidíssimo personagem do folclore brasileiro. Quem teria motivos para matar o Saci Perereira? Muitos personagens são suspeitos, mas quem seria o verdadeiro culpado? De forma bem-humorada e original, Alexandre de Castro Gomes cria uma história de detetive instigante ao mesmo tempo em que faz um surpreendente passeio pelo folclore brasileiro.

O homem que contava histórias

O Homem que Contava Histórias é uma coletânea de histórias da tradição oral que privilegia os chamados ‘contos de artimanha’, em que a esperteza vence, e as narrativas são de caráter filosófico. O livro reúne 20 contos que procuram resgatar as tradições de diversas etnias: judaica, indiana, chinesa, uigur, persa, japonesa, sufista, italiana, grega, russa e brasileira. Rosane ousa dizer que muito do pouco que sabemos dos homens está nos mitos, nas lendas e em outras narrativas fabulosas que nos legaram. Por outro lado, muito do que eles mesmos sabiam sobre si e sobre o mundo era ensinado por meio dessas narrativas contadas de geração a geração.

Novas histórias antigas

Amor, astúcia, cobiça, honestidade, medo. Esses sentimentos e qualidades tão humanos alimentam há séculos histórias populares de tradição oral. Oriundas de culturas tão distintas quanto a árabe, a russa, a francesa, as narrativas de “Novas histórias antigas” trazem todo o fascínio desse mundo encantado que acompanha a humanidade ao longo dos séculos. Partindo de acurada pesquisa e de uma curadoria afetiva, Rosane Pamplona reuniu 14 histórias, nas quais trabalhou a linguagem e fez certeiras adaptações das originais para apresentar narrativas divertidas, surpreendentes e reflexivas sobre as aventuras e desventuras de personagens que habitam e refletem o imaginário coletivo.

Kabá Darebu

“Nossos pais nos ensinam a fazer silêncio para ouvir os sons da natureza; nos ensinam a olhar, conversar e ouvir o que o rio tem para nos contar; nos ensinam a olhar os voos dos pássaros para ouvir notícias do céu; nos ensinam a contemplar a noite, a lua, as estrelas…”​Kabá Darebu é um menino-índio que nos conta, com sabedoria e poesia, o jeito de ser de sua gente, os Munduruku.

Kalinda, a princesa que perdeu os cabelos e outras histórias africanos

“Os contos populares africanos me devolvem as raízes do mundo. E trazem (imaginariamente) as vozes ancestrais para sussurrarem nos meus ouvidos.”Neste surpreendente livro, o renomado autor e ilustrador Celso Sisto traz diversos contos do continente africano, por meio dos quais o leitor poderá explorar a riqueza da cultura dos diferentes povos que lá vivem.

Esopo – Liberdade para as fábulas

Pouco se sabe sobre Esopo, mas muito se sabe sobre suas fábulas…Histórias como a da raposa e das uvas, da lebre e da tartaruga ou da cigarra e da formiga são conhecidas por quase todos, mas muito pouco se sabe sobre seu criador. Neste livro, de forma intrigante e original, o autor Luiz Antonio Aguiar procura jogar luz sobre a enigmática vida de Esopo, a respeito da qual pouquíssimo se sabe. Intercalando e criando paralelos entre algumas das mais conhecidas fábulas do narrador grego com a história de sua vida, o autor cria um livro que interessará tanto aqueles familiarizados com as fábulas de Esopo quanto os que entram em contato com sua obra pela primeira vez.

Coelhos lunares

É outono, a Lua está como um anel e a menina não consegue encontrar seu coelho. Onde ele foi parar? Será que fugiu? Logo, a garotinha descobre que seu coelhinho está lá em cima, no céu, dentro da Lua. Mas como chegar lá? Será que ela vai conseguir reencontrar seu bichinho?

Diomira e o Coronel Carrerão

Era uma vez um príncipe que abriu mão da fortuna e saiu pelo mundo com a roupa do corpo. Era uma vez um caipira que vivia com um papagaio dentro de um saco. Era uma vez um homem muito esperto que bateu na casa de uma viúva dizendo ter notícias do marido morto. Era uma vez um homem muito bravo que vivia sozinho em sua fazenda sem ninguém pra lhe fazer companhia nem pra tirar um dedo de prosa. Sua rabugice espanta todo mundo. As pessoas queriam distância do velho mandão que só sabia reclamar. Esse era o coronel Carrerão, na casa de quem Diomira foi trabalhar. Só que a moça, muito esperta, acabou descobrindo um jeito de pôr fim na rabugice do velho. Descubra nas páginas de Diomira e o coronel Carrerão.