Vulgar, o viking e o show de talentos tenebroso

Com o intuito de amenizar o longo inverno que teriam pela frente, o rei Olaf de Lorota anuncia a seus súditos a decisão de promover um show de talentos. Vulgar sabe que é a sua hora de brilhar. Ele apresentará sua música de “sovaco” ou fará algum malabarismo com cocô de alce? Não! Ele atuará como um lendário viking, com lutas, dragões, gigantes e todas aquelas coisas. E ele vai vencer! Não vai?

Suspiros de luz

Poemas visuais, repletos de animais, iluminados por uma vasta gama de cores de aquarela. Um texto que mexe com os sentidos e revela, no poder da natureza, uma poesia sucinta, mas de grande impacto: o haicai. No novo livro de Roseana Murray, ilustrado por Walter Lara, o leitor certamente se encantará com 24 poemas deleitáveis, como este: “As gaivotas de prata/ Rabiscam o céu/ Voo e caligrafia.”

O limpador de placas

O limpador de placas de rua era um homem feliz. Gostava do que fazia, gostava de suas ruas e gostava de suas placas. E quando alguém perguntava o que gostaria de mudar em sua vida, respondia sem vacilar: Nada, absolutamente nada! Decerto tudo teria continuado assim se um belo dia uma mãe e seu filho não tivessem parado ao pé da escada azul…

Ana, Guto e o Gato dançarino

Ana fazia sapatos: marrons, pretos ou simples boti­nas de trabalho. Ela não tinha coragem de mostrar tudo que sabia fazer. Ana podia pegar qualquer coisa e transformá-la em algo diferente, mas os habitantes de sua cidade só queriam saber do que era comum, prático e conhecido. Seus dias eram todos iguais, até que a visita de dois menestréis, vindos de longe, mudou sua vida. Guto e o Gato Dançarino precisavam de novos sapatos, mas não tinham como pagar por eles. Ofereceram em troca aulas de dança. Ana aceitou e ficou tão agradecida pelas aulas e por seus novos amigos, que achou pouco retribuir somente com simples botinas. Ana tomou coragem e fez tudo aquilo que sabia fazer, presenteou seus amigos e mudou a vida de todos.

A árvore – Os três caminhos

Sofia não esperava a reviravolta que iria acontecer na sua vida ao conseguir abrir, finalmente, a porta misteriosa no casarão de seu avô. Lá dentro, deparou-se com uma grande árvore no centro de uma instigante biblioteca e foi recepcionada por um exótico corvo albino, que a informou sobre uma importante missão. Sofia descobriu que aquela era a Árvore da Vida, essencial para a manutenção da vida na Terra, e que a mesma estava muito debilitada.