Qual é a cor do amor?

O elefantinho cinzento tinha uma dúvida: qual seria a cor do amor? Curioso, perguntou para o avô, para a zebra e para todos os outros animais que encontrava pelo caminho. O dia acabou e o elefantinho cinzento não resolveu a questão. Mas tinha alguém para quem ele ainda não havia perguntado.

Quando Estela era muito, muito pequena

“Quando Estela era muito, muito pequena, ela achava que era uma tartaruga…”. Estela também pensava que as árvores falavam e que as palavras eram formigas correndo para fora das páginas do livro. Quando Estela era pequena, ela não sabia amarrar os sapatos, mas conseguia sobreviver a uma tempestade de neve em pleno deserto, que ficava além da floresta tropical, bem atrás da casa dela…

Quando mamãe virou um monstro

Ao receber a notícia de que os sobrinhos vêm lanchar, mamãe fica desesperada. A casa está uma bagunça, não há nada para servir para as visitas e a pobre mãe não sabe por onde começar… Enquanto isso, os filhos só pensam em brincar. Em vez de arrumar suas coisas, sempre encontram outras para desarrumar, um motivo para brigar e outro para chorar. De repente, uma coisa estranha acontece com Mamãe…

Rabisco e borrão: fora da caixa

Uma encomenda chega na casa de Borrão, em uma grande caixa. O queijo que o rato comprara há pouco pela internet acabava de ser entregue. Seu amigo Rabisco, um gato, não se interessa pelo alimento, mas pede para ficar com a caixa. Na sua cabeça, a embalagem poderia ser qualquer coisa, basta usar a imaginação. Quando Borrão percebe isto o egoísmo e a rivalidade aparecem. Será que o gato e o rato farão as pazes?

Olha que eu viro bicho… de jardim!

Joaninha usa pijama de bolinha? Borboleta voa com o xale colorido da vovó? Minhoca rebola? Será que a centopeia empresta um de seus pés? Afinal, ela tem tantos, não é? No novo livro de Lalau e Laurabeatriz, o leitor encontra uma série de curiosidades sobre o mundo dos insetos. Com doçura, encantamento, cores, ficção e não ficção, a obra – repleta de poesia visual e verbal – é um convite para conhecer alguns dos bichos mais adoráveis do jardim.

Orelha de limão

“Era uma vez uma pequena ovelha, igual a todas as outras. Só uma coisinha nela era diferente: uma de suas orelhas era amarelo-limão.” Mas quanta diferença! Por conta desse pequeno detalhe, uma orelha amarelo-limão, nada dava certo para a ovelha e ela sofria muito.

Pato atolado

O Pato, dirigindo seu carro rumo à sua casa, trombou numa pedra e atolou na lama. Sapo, Carneiro e Bode, cada um por sua vez e todos juntos, ajudam Pato a desatolar seu carro. Pato Atolado, é uma divertida história dirigida para os pequeninos, que nos fala como, com cooperação e usando de criatividade e imaginação, podemos sair das mais difíceis situações.

Pedro e Tina

Pedro fazia tudo torto; se quisesse desenhar uma linha, ela saía torta; os cordões de seus sapatos nunca estavam bem amarrados. Já Tina fazia tudo certinho. Um dia, eles se encontraram e Pedro ficou encantado com o jeito de Tina fazer tudo certinho, mas Tina bem que gostaria que tudo que fizesse não fosse tão perfeito.

O urso corajoso

Na Floresta Encantada, à beira de um pântano lamacento, um encontro inesperado entre o Urso Rabugento e Bóris Búfalo faz ambos embarcarem numa inusitada batalha de coragem – subindo em árvores, se balançando em cipós e caçando porcos-espinho. Será que há algo na floresta que essa dupla não conseguirá enfrentar?

O urso de todas as cores

O grande urso-branco voltou para casa depois de uma longa viagem à cidade grande. Mesmo muito cansado, passou o dia brincando com os filhotes: pega-pega, esconde-esconde… Até que, no comecinho da noite, adormeceu. Quando acordou, não estava mais branco: seu corpo agora estava coberto de desenhos e cores, que saíam a cada mergulho no mar gelado. Todos os dias, o urso dormia branco e acordava colorido… O que estaria acontecendo? Uma linda fábula sobre afeto, infância e brincadeira.